Arquivo mensal: outubro 2011

Entrevista com a escritora Roseana Murray

Uma das mais premiadas autoras da literatura infanto-juvenil brasileira, a escritora Roseana Murray estará no segundo dia do FELICA, na quinta-feira, 10, para conversar com crianças sobre suas obras e sobre leitura e sua importância em sua formação.

Roseana concedeu uma entrevista para o CataguasesViva antes de sua participação na 3ª edição do Festival Literário de Cataguases, realizado pelo site.

1) Será sua segunda vez em Cataguases? Qual sua impressão sobre a cidade?

Roseana – Sim, fui a Cataguases em 1999 ou 2000. Tive uma impressão deliciosa da cidade, com lindas casas de arquitetura moderna.

2) Como escritora infantil, qual sua opinião sobre a realização de eventos literários a fim de promoverem o incentivo à leitura?

Roseana – Tudo o que incentiva a leitura é bom, é ótimo. E os eventos ajudam a fazer da leitura um hábito de todo dia.

3) Em seu site você diz que fica muito feliz quando pensa que um poema que escreveu em sua mesa, sozinha, chega a lugares tão distantes e emociona tanta gente.  O significa isso para um artista?

Roseana – É impressionante, a gente escreve mas não sabe o que vai acontecer. De repente nos chegam notícias maravilhosas. Agora mesmo acabo de ler um e-mail em que uma leitora me conta que está indo para a Itália visitar seu neto e na sua mala leva 4 livros meus!

4) Hoje os governos municipais, estaduais e federais investem maciçamente em compras de livros de ótima qualidade, mas o percentual de livros lidos por habitante no Brasil ainda é muito baixo. Qual a carência que você vê nas crianças e adolescentes para que a sua literatura seja voltada para esse meio? 

Roseana – Acho que primeiro a criança tem que saber ler bem, para que o ato de ler não seja um empecilho para que ela chegue ao conteúdo. A partir de uma boa alfabetização a leitura deve ser prazerosa, lúdica  e diária. Se a criança não for incentivada de nada adianta o governo comprar livros. Mas sou otimista e acho que de um modo geral tudo está melhorando.

Anúncios

Dia Internacional da Animação

No dia 28 de outubro, uma mostra de filmes de animação do Brasil e exterior irá celebrar o Dia Internacional de Animação. Entrada franca. Não perca!

Pelo 4º ano consecutivo, Cataguases se junta a milhares de cidades em todo mundo para comemorar o DIA – Dia Internacional de Animação, em iniciativa da Fábrica do Futuro e da Casa de Cultura Simão.

O curta-metragem  ‘Breves Instantes”, de Mírian Rolim, foi um dos selecionados para integrar a mostra. Mírian foi tutora da equipe da Universidade Federal de Minas Gerais no Fábrica Animada, projeto que contou também com a participação da Universidade Estadual de Minas Gerais e das Faculdades Integradas de Cataguases (FIC/UNIS) e que resultou na produção de 11 filmes de animação.  O projeto é uma realização da Fábrica do Futuro e do Programa Vivo Lab.

Outra boa notícia é que, em 2011, mais uma cidade da Zona da Mata mineira aderiu ao evento: Ubá também participa da comemoração, ofercendo mostras de filmes e ainda várias oficinas na área do Audiovisual.

CAIPIRAÇÃO: Show de humor

Entrevista com o poeta Chacal

O poeta Ricardo Chacal, ou simplesmente Chacal, um dos ícones da Poesia Marginal, fala com exclusividade ao blog do CataguasesViva e antecipa alguns dos temas que debaterá ao lado do poeta angolano Ondjaki e do cataguasense Marcelo Benini, na 3ª edição do FELICA, na mesa “Um poeta não se faz (só) com versos”, na Casa de Cultura Simão, no dia 11. Confira a entrevista.

1) Será sua primeira vez em Cataguases? Qual sua impressão sobre a cidade?

Chacal – Sim, conheço muito pouco de Cataguases. Associo sempre aos filmes de Humberto Mauro.

2) Com o advento tecnológico, o surgimento de novos escritores, graças a blogs individuais ou coletivos, deu aos escritores dos anos 2000 uma experiência parecida com a que viveu nos anos 70. Quais as principais semelhanças e diferenças que vê entre os dois períodos?

Chacal – Semelhanças entre mimeógrafo e internet: do it yourself. Não dependência de editores e distribuidores. Poema direto do produtor ao consumidor. Diferenças: hoje o grande acúmulo de informações não permite muitas vezes diferenciá-las.

3) Como um agitador cultural, o que acha da realização de eventos literários a fim de promoverem o incentivo à leitura?

Chacal – Muito útil essa troca de vivências. Conhecer pessoas e lugares.

4) Torquato Neto, certa vez, afirmou que “um poeta não se faz com versos”. De que é feito um poeta?

Chacal – De versos e reversos.

Plástico Bolha começa a ser distribuído também em Cataguases

O Jornal Literário Plástico Bolha começou a ser distribuído em Cataguases na noite desta sexta-feira, 21, no lançamento do livro “Uma Verde História”, de Joaquim Branco e Fernando Abritta, no Centro Cultural Humberto Mauro.

Foram distribuídos gratuitamente as últimas edições do PB apresentando  o periódico aos presentes no local como preparação para a distribuição em massa que haverá no FELICA – Festival Literário de Cataguases – que acontecerá entre os dias 9 e 12 de novembro.

Entrevista com a escritora Ana Paula Maia

fofo: Marcelo Correa

A escritora Ana Paula Maia, que estará na 3ª edição do FELICA, no dia 12 de novembro, na mesa Criar, recriar ou retratar: os artífices da ficção atual, ao lado do escritor Elias Fajardo, natural de Tebas, distrito de Leopoldina, na Casa de Cultura Simão, concedeu uma entrevista para o CataguasesViva apresentando um pouco mais de seu trabalho e de sua afinidade com Minas.

1) Você já havia lançado “O habitante das falhas subterrâneas”, em 2003, mas acredita que sua participação na antologia 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira, organizada por Luiz Ruffato, tenha alavancado ou solidificado sua condição como prosadora? Como é sua relação com o também cataguasense Ruffato?

APM – Quando o Ruffato me convidou para participar desta antologia eu havia acabado de lançar o meu primeiro romance, “O habitante…” Foi a primeira antologia de contos da qual participei e foi sim muito importante para o meu ingresso no cenário literário. A antologia não alavancou a minha carreira, mas foi um ponto muito positivo. Eu tive uma longa estrada para continuar e me firmar na carreira de escritora.

2)Você uma vez disse que é mineiríssima, por ter vários parentes aqui em Minas, e antes de estar em Cataguases participará no Felit (evento em São João del Rei), as paisagens interioranas fazem parte de alguma narrativa sua? Qual sua impressão de Cataguases?

APM – Estive rapidamente em Cataguases, por conta de uma visita a um tio avô que morava na cidade, vi muito pouco do lugar e desta vez, espero conhecer mais. Meus livros avançam cada vez mais para paisagens interioranas, é como se eu estivesse vivendo um êxodo urbano na minha literatura.

 3)    Como foram os processos de criação de suas obras?

APM – O processo de criação de cada livro foi diferente entre si, porém, os meus dois últimos livros, que consiste em três histórias que formam a trilogia “A saga dos brutos”, foi um projeto que teve unidade de pensamento, ou seja, faz algum tempo estou desenvolvendo o mesmo tema: a relação do homem com o trabalho que exerce e como esse trabalho molda ou influencia o seu caráter.

Geralmente penso muito antes de começar um livro, leio artigos, faço pesquisa. Gosto de obter informações que alimentam a minha imaginação e que agregam valores ao texto.

4)    O que acha da realização de eventos literários a fim de promoverem o incentivo à leitura?

APM – A literatura está na agenda cultural do país e isso é maravilhoso. É só o começo do estímulo a leitura, pois quanto mais se fala do assunto, mais ele se torna conhecido, comum. A literatura tem estado mais perto das pessoas, porém a formação de novos leitores parte principalmente da vontade individual, de cada um querer ler.

 

Filme da semana – Lanterna Verde

LANTERNA33Hal Jordan (Ryan Reynolds) é um audacioso piloto de aviões que foge de qualquer responsabilidade. É assim que mantém a amizade com Carol Ferris (Blake Lively), colega de infância e também piloto, que está prestes a assumir o comando da empresa do pai. Hal e Carol tiveram um caso no passado, que não seguiu em frente por causa dele. Um dia, a vida de Hal muda ao ser envolto em uma redoma verde e levado até um alienígena prestes a morrer, chamado Abin Sur (Temuera Morrison). O extraterrestre lhe entrega um estranho anel e diz que ele foi escolhido, além de alertar sobre as responsabilidades de possuí-lo. Ao usá-lo Hal torna-se o Lanterna Verde, tendo condições de moldar a luz verde da forma como sua imaginação permitir. É apenas o início da jornada do herói, que viaja até o planeta Oa para aprender a usar suas novas habilidades e tem como grande teste o temido Parallax.

Duração: 105 min

Gênero: Aventura

Estreia: 21 de outubro

Horário: 19:30

CataguasesViva realiza 3ª edição do FELICA

A terceira edição do FELICA – Festival Literário de Cataguases – está marcada para os dias 09 e 12 de novembro. Nesse ano, o tema do FELICA será “A poesia da vida” e privilegiará temas correntes em nosso cotidiano, como acontecerá na mesa de abertura do FELICA 2011, com a atriz e poeta Elisa Lucinda cujo tema é “Parem de falar mal da rotina…”.

Além de Elisa, os outros convidados do FELICA são: a jovem prosadora Ana Paula Maia, o poeta Bartolomeu Campos de Queirós, o poeta da Geração Marginal, Chacal, o artista plástico e romancista tebano Elias Fajardo, o cataguasense radicado em Leopoldina José Geraldo Gouvêa, Marcelo Benini, também nascido aqui e morador de Brasília, o romancista e cineasta húngaro Miklós Palluch, o poeta angolano Ondjaki e a jornalista Sabrina Abreu.

O FELICA para crianças terá um seleto grupo de escritores voltados para esse público específico.

Nomes como os de Roseana Murray, Otávio Jr., idealizador do Projeto “Ler é 10 leia favela”, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, o escritor Luciano Sheikk e da escritora Maria Vargas completam a lista dos nomes que juntamente com a equipe do Proler farão apresentações e conversarão com as crianças a respeito do universo da leitura e de sua importância.

A edição 2011 do FELICA é uma realização do site CataguasesViva.com e só foi possível graças à aprovação do projeto na Lei Municipal de Incentivo à Cultura Ascânio Lopes. Mais informações no site do Festival: www.cataguasesviva.com/felica

A expectativa esse ano é consolidar de vez o Festival Literário de Cataguases no calendário cultural da cidade, uma vez que sempre nos pautamos em trazer nomes de primeira grandeza do cenário nacional da nossa literatura, afirma Geraldo Filho, curador literário do Festival.

Promoção Frase premiada já tem seus vencedores

Lançamento de Livro